• Matheus Lima

Rock in Rio: Thirty Seconds to Mars faz show repleto de estripulias


Com apenas nove músicas no setlist, Thirty Seconds to Mars fez show repleto de estripulias

Matheus Lima

24 Setembro 2017 | 23h50

Thirty Seconds to Mars no Rock in Rio. (Imagem: I Hate Flash)

O grupo californiano Thirty Seconds to Mars, formado por Jared Leto, Shannon Leto e Tomo Milicevic, realizou na noite deste domingo (24), a última da sétima edição do Rock in Rio, um show repleto de estripulias.

Repetindo feitos da sua primeira apresentação no festival, em 2013, o trio apostou no que já era de se esperar: balões coloridos, chuva de papel picado, fãs no palco e alguns de seus maiores sucessos. Um déjà vu. Apesar das poucas novidades, eles conseguiram esquentar e agitar todo o público que preenchia cada espaço da Cidade do Rock — era uma das noites mais prestigiadas e cobiçadas da edição.

O repertório não foi muito variado, afinal, de 2013 para cá a banda lançou somente a inédita "Walk On Water". Com apenas oito músicas no setslit, incluindo dois covers (do clássico Led Zeppelin e Pantera), os rapazes proporcionaram um show de aproximadamente uma hora e meia. A limitação de faixas foi um dos pontos mais decepcionantes da apresentação, repleta de clichês.

Passando pelos renomados e estourados sucessos como "Kings and Queens" (composição que havia ficado fora do explosivo show na quinta edição), "This Is War", a nova e intensa "Walk On Water" — que contou com a participação inesperada e certeira do rapper brasileiro Projota — e a nostálgica "The Kill", eles seguiram um roteiro clássico de festival, contagiante e envolvente. Na última, Jared atravessou a passarela e promoveu um momento acústico emocionante.

A entoação de "ôh ôh ôh" em quase todas as músicas conta muito na hora de levar o público ao delírio. É instantâneo, assim como todos os momentos em que Leto se aproxima da galera. Era nítido o quão feliz eles estavam por estarem se apresentando mais uma vez no Rock in Rio.

A troca de energia e carinho entre o público brasileiro, a banda e o festival é recíproca. Isso faz com que os integrantes sintam-se mais a vontade, melhorando toda a performance das apresentações. "Vocês sabem o quanto amamos vocês?", perguntou o vocalista em uma das muitas conversas com o público.

Jared Leto na tirolesa do Rock in Rio. (Imagem: I Hate Flash)

Repetindo o feito, o salto de Jared na tirolesa veio logo após a execução de "Search and Destroy" — ainda que não tenha sido empolgante como anos atrás, ver o astro sobrevoando sobre o público é algo incrível para os mais apaixonados pelo grupo. Leto também tomou açaí — mais uma vez — e disse que o nosso país tem a melhor comida.

Confetes tomaram conta de todo o céu da Cidade do Rock durante "Kings and Queens". Balões coloridos enfeitaram a plateia durante "This Is War" — cantada de punhos erguidos pelo público. Para encerrar, o performático vocalista chamou ao palco fãs para cantarem "Closer To The Edge", uma das composições mais fortes da banda. Mais confetes e agradecimentos. Hora do Thirty Seconds to Mars sair do palco.

Um show para ficar marcado para sempre na história deles — e da nossa também. Confessamos: o nosso amor pela banda é maior que todos os clichês da apresentação. Mars é a banda que definitivamente tem um espaço mais que merecido no Rock in Rio. É contagiante.

A convite da Heineken Brasil nós marcamos presença nos sete dias de Rock in Rio, e vivemos a música da forma mais pura e intensa possível: ao vivo. #LiveYourMusic.

Setlist @ Thirty Seconds to Mars no Rock in Rio 2017

Up in the Air Kings and Queens This Is War Walk on Water Search and Destroy The Kill (Bury Me) (Acústico) Do or Die The Ocean (Led Zeppelin cover) Cowboys From Hell (Pantera cover) Closer to the Edge

#RockinRio #RockinRio2017 #ThirtySecondstoMars #OnBackstagenoRockinRio

Bastille
Fade_edited.png