#LoveIsLove: Troye Sivan, Sam Smith, Coldplay, Lady Gaga e mais artistas em apoio a causa LGBT
Mídia em segundo plano para fins jornalistico e editorial, sem qualquer outra finalidade.

Rock in Rio, aí vamos nós

Queen. Beyoncé. Coldplay. Guns N' Roses. Iron Maiden.
Agora, é a nossa vez de fazer história no maior festival de música e entretenimento do mundo.
 
Em setembro, viva experiência do maior e melhor
Rock in Rio de todos os tempos no On Backstage.

SCORPIONS

34 anos desde a última passagem, os veteranos do Scorpions chegam com força total. Rock You Like a Hurricane!

BON JOVI

O multi-platinado e membro do Rock & Roll Hall of Fame, Bon Jovi, chega ao país com a turnê This House Is Not For Sale.

SLAYER

Uma das principais bandas do thrash metal, Slayer, celebra 38 anos de carreira com turnê mundial de despedida.

IRON MAIDEN

Prepare-se para ver o Iron Maiden na maior produção de sua história em dois dos maiores estádios do país.
qua, 18 de set de 2019
qua, 25 de set de 2019
qua, 02 de out de 2019
dom, 06 de out de 2019
A cobertura especial do maior Rock in Rio de todos os tempos começa em 27 de set, às 14h BRT, nas redes sociais do On Backstage.

#LoveIsLove: Troye Sivan, Sam Smith, Coldplay, Lady Gaga e mais artistas em apoio a causa LGBT

17.05.2017

 

O ano é dois mil e dezessete, o século é XXI, e o pensamento humano continua retrógrado. Viado, sapatão, traveco, bixa. Esses são os termos que mais ouvimos na sociedade brasileira. O Brasil é o país líder em assassinatos de LGBT. Sim. O país de múltiplas raças, culturas.  

 

Segundo informações dos grupos brasileiros Rede Trans Brasil e GGB (Grupo Gay da Bahia), o número de assassinatos no grupo LGBT subiu 18% em relação ao mesmo período de 2016. Até o momento, o ano mais violento da década para essas pessoas. Segundo o relatório da Associação Internacional de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transgêneros e Intersexuais, o Brasil ocupa o primeiro lugar em homicídio de LGBTs nas Américas, com 340 mortes por motivação homofóbica em 2016. Estima-se que, 144 desses homicídios sejam de travesti e transexuais. 

 

Pessoas intolerantes, estúpidas, com falta de amor e respeito. O que leva parte da sociedade matar ou tentar diminuir pessoas apenas por amarem outras? O que nos restas todos os dias é lutar. E no mundo da música, vários artistas usam o dom artístico de suas composições para chamarem à atenção de um assunto tão sério; confira 10.

  • Troye Sivan

No clipe de "Heaven", Troye homenageia a luta LGBT. A composição fala sobre como ele teve dificuldades para conciliar sua orientação sexual com questões religiosas. O fato de chegar ao Paraíso, mas sem mudar sua essência. Em entrevista ele diz que "Heaven" foi uma experiência terapêutica: "Eu estava pensando em como era difícil ser uma boa pessoa e que mesmo antes de abrir meus olhos quando bebê — porque eu acho que nasci gay —, eu era um pecador."

  • Sam Smith

Uma das vozes mais potentes do mundo, Sam Smith é homossexual assumido. No clipe da canção "Lay me Down", ele canta a morte de um grande amor e retrata a tristeza sentida em seu velório. Segundo Sam, ele "representa o sonho de que um dia, homens e mulheres gays e transgêneros ao redor do mundo, como todos os nossos familiares e amigos heterossexuais, possam se casar sob qualquer teto, em qualquer cidade, em qualquer vilarejo, em qualquer país".

 

  • The 1975

Em 2016 aconteceu uma dos maiores atentados contra o público LGBT. Nos Estados Unidos, um homem entrou e matou 50 pessoas, ferindo várias. Um crime que chocou todo o mundo, e nos fez questionar o porquê de tanta violência. The 1975 homenageou então as vítimas do atentado ao Club Pulse, dedicando a música "Loving Someone", com iluminação de fundo do palco representando as cores do arco-íris. Desde então, à apresentação da canção é sempre emocionante.

  • Hozier

Heterossexual e luta pela causa LGBT. Não importa o seu gênero. O que importa é propagar o amor, respeito e tolerância. Em "Take me to Church", o irlandês faz uma crítica ao fanatismo religioso contra gays. O clipe gerou uma polêmica relação entre os religiosos e o que eles taxam de "doentes" e expurgam da sociedade.

  • Macklemore 

“Estou com medo que as pessoas no hip-hop não vão querer fazer parcerias [depois da música “Same Love"]? Meio que sim. As pessoas vão achar que sou gay? Elas ainda acham. Você digita ‘Macklemore’ no Google e ele imediatamente auto-corrige para ‘Macklamore é gay?’. Mas sabe de uma coisa? Isso não é importante para mim. Eu honestamente não poderei me importar menos. O que é importante para mim é algo muito maior do que como sou percebido ou quem possa querer ou não gravar comigo. Se as pessoas realmente não quiserem gravar comigo por causa disso, não era mesmo para fazermos música juntos. Isso é algo que eu acredito”.

  • Lady Gaga

Não importa se você é gay, hétero ou bia. Lésbica ou se é transexual. Eu estou no caminho certo, baby, eu nasci para sobreviver. Não importa se você é negro, branco ou amarelo. Se é latino ou oriental. Eu estou no caminho certo, baby. Eu nasci para ter coragem."

Não é preciso dizer mais nada depois desse trecho de uma das músicas mais gloriosas de Lady Gaga, "Born This Way". A cantora já já disse à comunidade LGBT: "Sou vossa aliada".

  • Katy Perry

"Quando eu ainda estava a crescer, a homossexualidade era sinônimo de abominável. Ensinaram-me a ter medo destas pessoas, mas elas são o oposto daquilo a que me ensinaram a ter medo. São as pessoas mais livres, fortes, amáveis e inclusivas."

  • Sia

Sia é uma das cantoras mais encantadoras do mundo da música, e usa esse dom sempre em apoio aos homossexuais. "The Greatest" é uma homenagem às vítimas do atentado homofóbico em Orlando. O clipe é forte, Ziegler demonstra inquietação vendo várias crianças deitadas (mortas), até que quando começa a dançar as crianças "acorda". A menina chega a chorar "lágrimas de arco=íris", que dão o tom para a interpretação mais profunda do clipe.

  • Coldplay

Chris, Jonny, Will e Guy. Os quatro integrantes de uma das maiores bandas do mundo, apoiam a causa LGBT no país. A mensagem passada por eles em todos os seus shows é simples e forte: "Acredite no Amor". Em 2016, na edição 50° do Super Bowl Halftime Show, isso foi mostrado para mais de 111 milhões de pessoas, quando um enorme mosaico foi formado no local do evento. Inclusive, o vocalista Chris Martin já teve dúvidas se era gay quando mais novo.

  • Adam Lambert

Adam foi o primeiro gay assumido a chegar ao topo da Billboard 200. Ele está fazendo um incrível trabalho no grupo "Queen", homenageando muito bem o incrível Freddie. Cheio de estilo e personalidade, o cantor sempre levantou a bandeira LGBT.

Mais amor, menos ódio. Mais respeito, menos intolerância. A luta sempre continuará.

#LoveIsLove

 

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Please reload

sobre nós    |    mapa do site    |    entre em contato

© 2019 on backstage | alguns direitos reservados.